TCCC pode perder concessão por dificuldade financeira

TCCC pode perder concessão por dificuldade financeira
“Não daremos um centavo a mais de reajuste”, disse o prefeito de Maringá, Ulisses Maia, em entrevista à imprensa na manhã desta quinta, 13, referindo-se a tarifa do transporte coletivo, fixada em R$ 3,90. A empresa insiste em R$ 4,30. Diante da alegação da TCCC, de que reajuste menor da tarifa vai aprofundar suas dificuldades financeiras, a Prefeitura de Maringá vai interpelar judicialmente a empresa para que esclareça a situação.
Em carta aberta distribuído aos motoristas, que reivindicam reajuste de salários com base na convenção coletiva de trabalho da categoria, a empresa alega que opera com um rombo mensal de R$ 600 mil e para honrar compromissos com fornecedores e funcionários tem recorrido a empréstimos bancários. “Em função desse prejuízo, a empresa tem perdido sua capacidade de renovação da frota”, diz a carta.
“Não temos a mínima condição de aumentar o preço da passagem além do que já foi concedido, especialmente em respeito ao usuário do transporte coletivo”, reafirmou o prefeito. Caso a empresa não tenha a saúde financeira que assumiu ter no contrato de concessão assinado com o município, terá que devolver o serviço”, acrescentou o prefeito, reiterando que não admitirá sucateamento da frota e precarização do serviço por falta de investimento.
Caso as explicações da empresa confirmem situação financeira delicada, como sugere teor da carta distribuída aos motoristas do transporte coletivo e tornada pública esta semana, o município vai aplicar as penalidades previstas em contrato e não descarta rever o contrato de concessão. “Teremos motivos jurídicos para rescindir o contrato e fazer uma licitação para que uma, duas ou mais empresas explorem o serviço”, disse o prefeito.
Ulisses Maia reiterou que vai continuar a exigir melhorias contínuas no sistema de transporte coletivo, a exemplo do que já foi feito ano passado antes da concessão do primeiro reajuste dessa gestão. “Só concedemos o aumento após o cumprimento, pela empresa, de uma série de exigências”, lembra o prefeito. Entre as exigências estavam a instalação e wi fi e mais ônibus em linhas  de maior fluxo para evitar superlotação,
O secretário de Gestão, Rogério Calazans, destacou que em nenhum momento a empresa procurou a administração para dialogar sobre as finanças da empresa, mas pautou seu diálogo com o município apenas no aumento da tarifa. “A situação da empresa, que diz recorrer a ′vultosos empréstimos bancários′ para manter suas atividades, com pagamento de fornecedores e funcionários, nos surpreendeu”, disse Calazans.
Abaixo
Carta aberta distribuída pela TCCC aos motoristas justificando dificuldades financeiras para não atender índice de reajuste reivindicado pela categoria
VIA PMM
fator37

Post Relacionado
Deixe um Comentário