Agora é oficial: a memória das mulheres é superior à dos homens. Em um recente estudo publicado na revista científica Menopause, mulheres entre 45 e 55 anos tiveram desempenho superior ao dos homens em testes de memória, mesmo com os declínios cognitivos relacionados à menopausa e avanço da idade.

Cerca de 75% das pessoas começa a ter problemas de memória conforme a idade avança, e as mulheres são mais propensas a ter doenças como demência e Alzheimer.

Além disso, ao chegar à menopausa, elas também começam a ter esquecimentos. Alguns estudos ainda complementam que mulheres também podem ter dificuldades de fluência verbal.

No entanto, mulheres que têm um envelhecimento saudável continuam a ter vantagem em relação a homens no quesito memória, mesmo na meia idade ou em faixas etárias mais avançadas.

Na verdade, alguns estudos sugerem que, mesmo desde a infância, mulheres superam homens em atividades e tarefas de memória, principalmente para memória verbal. A diferença fica mais significativa após a puberdade, e segue até a idade adulta.

Como os hormônios afetam a memória?

Pesquisadores de Boston, Estados Unidos, estão analisando como a menopausa e os níveis de esteroides sexuais podem afetar certos aspectos da memória.

Acredita-se que os hormônios de esteroides sexuais neurocientes, incluindo o estradiol, afetem a aprendizagem e a memória nas mulheres, e podem estar subjacentes às diferenças no aprendizado e no desempenho da memória em comparação aos homens.

O estradiol afeta a função e a estrutura de regiões do cérebro que se relacionam com a memória. À medida que os níveis flutuam durante o ciclo menstrual, o desempenho da memória de trabalho verbal também pode mudar.

Com o intuito de encontrar mais respostas, a equipe decidiu investigar a função da memória em relação aos níveis de estradiol no início da meia-idade. Eles declararam que as diferenças de sexo, o estado reprodutivo e os hormônios podem se correlacionar com as mudanças no desempenho da memória.

Eles também queriam descobrir quais domínios de memória são mais suscetíveis de serem prejudicados nas mulheres na menopausa, e se o nível de funções da memória no início da meia-idade pode prever o desenvolvimento futuro da doença de Alzheimer, com base em históricos familiares.

Apesar da menopausa, mulheres têm desempenho superior ao dos homens em testes de memória

Os participantes deste estudo foram 212 homens e mulheres entre 45 e 55 anos.

Foram utilizados testes de memória bastante desafiadores para avaliar a memória episódica, o processamento semântico e a função executiva.

O teste cognitivo foi usado para medir a inteligência verbal. A equipe de pesquisa comparou o desempenho entre homens e mulheres, e também entre mulheres em diferentes estágios – antes, durante e após a menopausa.

Os resultados mostraram que as mulheres superaram os homens, e que as mulheres na pré-menopausa ou perimenopausa obtiveram resultados melhores do que as que estavam na pós-menopausa. Foi concluído que o nível de estradiol estava relacionado a este desempenho, independentemente da idade cronológica.

À medida que o estradiol diminui conforme o avanço da menopausa, as mulheres acham muito mais difícil recuperar informações e aprender algo pela primeira vez.

No entanto, elas continuam a manter e consolidar as memórias armazenadas de forma eficaz. Os estudos sugerem que diferentes partes do cérebro são afetadas.

Estudos anteriores provaram que mulheres com um período reprodutivo mais longo, e, portanto, maior exposição aos estrogênios, apresentam uma memória verbal imediata em meados da meia-idade ou uma faixa etária mais avançada.

Também foi descoberto que uma queda nos níveis de estradiol durante a menopausa corresponde diretamente a mudanças na atividade cerebral no hipocampo, o que é vital para a função da memória.

Há alguma associação com o Alzheimer?

Medicina comprova: Mulheres têm memória superior a dos homens

No cérebro, as partes afetadas parecem ser diferentes das afetadas pela doença de Alzheimer precoce. A equipe não encontrou nenhum indicativo de uma ligação entre os déficits cerebrais da menopausa com o Alzheimer.

O esquecimento e o nevoeiro cerebral foram frequentemente atribuídos ao estresse no trabalho e à necessidade de realizar multitarefas, e não necessariamente à menopausa. No entanto, o estudo atual confirma sugestões de que a menopausa, e mais especificamente, o estradiol, podem desempenhar um papel, mas ainda precisam confirmar com mais provas.

Os pesquisadores concluíram que as mudanças cognitivas que ocorrem durante a menopausa estão provavelmente relacionadas a processos hormonais que afetam as redes neurais do lobo frontal, ao invés de disfunção no sistema límbico temporal.

Outras causas potenciais de problemas de memória, dizem os pesquisadores, podem ser o estrogênio vindo de outras fontes além do estradiol, como resultado de pressões psicossociais ou sintomas de outras condições que o indivíduo possa estar passando no momento.

Eles concluem que a memória das mulheres é melhor do que as dos homens no início da meia-idade, e quando as lembranças das mulheres começam a diminuir, isso se deve ao status reprodutivo e não à idade. A diminuição do estradiol nos ovários desempenha um papel fundamental nisso.

Eles esperam que mais pesquisas conduzam a uma melhor compreensão de quais mudanças na memória se relacionam com o envelhecimento saudável, e dessa forma conseguem identificar quais são os primeiros sinais de Alzheimer e perda de memória futura.

* Nota: As informações e sugestões contidas neste artigo têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento e acompanhamentos de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas.

Fonte: Tudo por Email

Comentários do Facebook